domingo, 7 de junho de 2009

Nova pesquisa do Ibope confirma maior torcida do Rio em todas as classes sociais

Na edição de hoje do Globo uma matéria de página inteira mostra os resultados da mais recente pesquisa sobre as torcidas do Rio de Janeiro, realizada pelo Ibope por encomenda da agência Binder. Bom, o básico, explícito na matéria, fala em 58% dos cariocas (do Grande Rio) que torcem por algum time, são flamenguistas contra 17% de vascaínos, 13% de tricolores e 12% de botafoguenses. Pra ver essas coisas, podem acessar o link para a matéria do Globo online.

Fala também da distribuição de torcedores de cada time nas classes sociais (DE, C2, C1, AB). Mostrando que a torcida do Flu é a mais elitizada, com 46% de torcedores na classe AB. Aí, como sempre, os adversários vão falar que os "framenguistas" são todos favelados e que a torcida do "Framengo" não tem poder aquisitivo como a do Fluminense ou a do Vasco (que tem 36% de seus torcedores na AB) ou a do Botafogo (32% na AB).

Pois bem, a torcida do Flamengo tem 27% na AB, 28% na C1, 25 na C2 e 20% na DE. Com regras de três simples cheguei nos dados que todos já sabem, a torcida do Fla é a maior em todas as classes sociais. Na classe DE é gigantescamente maior (63%). E na classe AB, também é estupidamente maior, com 49,55% desses torcedores. Ou seja, praticamente metade dos cariocas mais bacanas que torcem para futebol são Flamenguistas.

Ou seja, é festa na favela e festa na cobertura da Vieira Souto!

Saudações Rubro-Negras!

6 comentários:

clayton magrin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
alexandremeireles disse...

Meu DEUS! Com certeza vc não falou sério. Porque não é possível que um ser pensante conclua isso. CLAYOTN!! PQP. Realmente se vc apenas somar 46 com 28 o resultado é 74! Como também a soma de 27 mais 28 dá 55. Mas é óbvio, lógico e evidente que são universos diferentes. Se vc pegar o número de pessoas que estão inseridos nesses 27% da torcida do flamengo que são das classes A e B o número será muitoooo, mas muitooooooo maior que a torcida todaaa do fluzinho. E se vc fizer uma regra de tres simples (o que nem precisa ser inteligente pra fazer, bastando que não seja idiota), correlacionando essa quantidade de pessoas que torcem para o flamengo da classe A e B com o total de pessoas da classe a e B de todo o estado do rio chegaremos a essa porcentagem de 45,44%. Depois torcedor do flamengo que é imbecil!!!!

Aderson disse...

Se fizerem uma pesquisa com percentual de analfabetos tricolores, o Clayton vai estar inserido com certeza! hahahaha

falfal disse...

Ai olhe direitinho a merda q vc escreveu Macos...
kkkkk

Unknown disse...

O IBOPE fornece os números, não os interpreta. Não estou duvidando deles, provavelmente estão certos, ou são uma aproximação razoável (pesquisas eleitorais sempre são mais precisas, pois depois elas são comprovadas ou não, eles não podem errar muito).
Sobre o conteúdo da pesquisa, acompanhem o raciocínio. Segundo os dados apresentados, o IBOPE informa que a torcida do fla é 4,5 vezes maior que a do Flu, no "Grande Rio". Isso não é surpresa, pelo contrário. O que geralmente me deixa intrigado é por que os flamenguistas comemoram o mero fato de fazer parte de um grupo grande. Em tudo na nossa vida damos muito mais valor à qualidade do que à quantidade.
Vou exemplificar, usando as proporções da pesquisa. Pessoalmente, eu prefiro beber uma bela caneca de cerveja gelada do que 5 copos de coca light quente. Prefiro comer 200 gramas de picanha nobre malpassada em uma boa churrascaria do que um quilo de espetinho de gato estorricado na carrocinha da rua. Prefiro sair com uma bela mulher do que com 5 travestis.
Entenderam a comparação entre quantidade e qualidade? Tudo bem, essa é uma avaliação estritamente pessoal, não posso generalizar. Vamos levar em conta que a torcida do flamengo prefira mesmo os travestis - gosto é uma coisa que a gente precisa respeitar.
Mas a pesquisa vai além. Ela quantifica também a proporção das torcidas nas "classes sociais", seguindo algum critério estabelecido.
Comparemos então. O Flu tem 13% da torcida do RJ, e, desses 13% de tricolores, 46% são da classe AB. Ou seja, aproximadamente 6% da população do Grande Rio é tricolor e da classe AB.
O flamengo tem 58% da população, dentre os quais 27% na classe AB. Ou seja, isso significa que pouco mais de 15% da população pesquisada é flamenguista E da classe AB.
Se não houvesse correlação entre o time que a pessoa torce e a sua "classe social", a distribuição entre a população total e todos os subgrupos de classe se manteria, pois o universo pesquisado é suficientemente grande.
Para exemplificar essa situação: a proporção de canhotos na torcida do flamengo, provavelmente, é igual à proporção de canhotos na torcida do Fluminense, do Vasco, do Goytacaz, etc., ou seja, semelhante à proporção de canhotos em toda a população.
Curiosamente, segundo o resultado dessa pesquisa, não é o que acontece com a opção de torcida. Apesar do flamengo ter uma torcida 4,5 vezes maior do que a do Flu, na classe AB essa proporção cai quase pela metade, para 2,5 vezes.
O que isso significa? Que o percentual relativo de torcedores que opta pelo flamengo nas classes sociais mais baixas, notadamente de menor instrução, com menos acesso à informação e com maior deficiência na ingestão de proteínas é muito maior. Daí podemos avaliar a qualidade dessa escolha.
Em números absolutos, a maior quantidade de torcedores do flamengo na classe AB pouco significa para uma avaliação qualitativa, quando colocada em perspectiva. Podemos comparar o número de pessoas "ricas" do Brasil com o número de pessoas "ricas" em Luxemburgo. Se há mais ricos no Brasil, alguém afirmaria então que o Brasil é um país mais rico que Luxemburgo?
Outro exemplo então, no universo do futebol, mantendo as mesmas proporções da pesquisa. Suponha que eu seja batedor de pênaltis do meu time, e que dos últimos 20 que bati, acertei 10 (OK, chuto mal). Já você, no seu time, o juiz marcou mais pênaltis (é um exemplo bem realista!), e de 90 pênaltis que você bateu, acertou 25.
Pergunto: quem é melhor, afinal?
Entendeu agora o que eu quis dizer, quando falei que era constrangedor o autor desse texto comemorar o resultado da pesquisa sob esse ponto de vista de "sucesso na classe AB" que ele fez questão de frisar? O problema certamente foi a "regra de três simples" que ele disse ter usado...
Essas percepções estatísticas nem sempre são muito intuitivas. Isso lembra a história que Carl Sagan contava, que o ex-presidente americano Dwight Eisenhower ficou revoltado quando disseram para ele que metade dos americanos tem inteligência abaixo da média.

Unknown disse...

Agora, mais deprimentes ainda que o próprio texto do blog são os comentários dos torcedores de ambos os times. Eles não têm a mínima compreensão de noções básicas como quantidades, proporções ou conjuntos. Não entendem a diferença entre afirmativas simples como "46% da torcida do Flu é da classe AB" e "46% da classe AB torce para o Flu". O outro ainda "corrigiu" e fez uma "regra de três simples" (essa simplicidade é que mata), e conseguiu descobrir, unicamente a partir dos dados informados, "o total de pessoas da classe A e B de todo o estado do Rio", para fazer uma "correlação". E ainda chamou o primeiro de imbecil! Genial...